Segunda, 04 Março 2013 00:36

Uma biblioteca para Cruz-Diez | 08-04-2013 a 10-05-2013 | Biblioteca FCH - FUMEC | Belo Horizonte, MG, Brasil

De 8 de abril a 10 de maio os frequentadores da biblioteca da Faculdade de Ciências Humanas, Sociais e da Saúde da FUMEC irão se deparar com uma exposição de artes visuais inusitada. O jovem artista mineiro Lucas Dupin, a convite do projeto “Mais arte na Biblioteca”, realizou uma instalação na qual milhares de tiras coloridas foram inseridas entre os livros, ocupando os dois andares do acervo.

Intitulada de “Uma biblioteca para Cruz-Diez”, a exposição pretende homenagear o artista plástico venezuelano Carlos Cruz-Diez (1923). Embora ainda pouco conhecido no Brasil – mesmo depois de uma grande retrospectiva realizada, ano passado, na Pinacoteca em São Paulo – Cruz-Diez é sem dúvida um dos artistas sul-americanos mais reconhecidos internacionalmente. Desde o início de sua carreira a cor, enquanto fenômeno, sempre esteve no centro de suas investigações artísticas. Para ele, a cor é um elemento que “evolui no espaço e no tempo e que não necessita de nenhuma forma, suporte ou muleta cultural”. Estas pesquisas deram resultado às diferentes séries de trabalho conhecidas como “Fisicromia”, “Transcromia”, “Indução Cromática”, “Cor Aditiva” e “Cromosaturação”.

Na exposição realizada na FUMEC, a cor também é o elemento chave. Somadas às cores que já estão nos livros, foram colocadas entre eles tiras coloridas que aparecem ou desaparecem à medida que nos deslocamos por elas. É a partir da soma destes pequenos elementos que estantes inteiras se convertem em grandes painéis coloridos dos quais dominam as cores vermelho, azul, verde e amarelo. O que está no centro é a própria experiência cromática. Assim, não há na exposição nenhum apelo figurativo, simbólico ou representativo. O que significa dizer, em outras palavras, que a exposição é a própria experiência do visitante com a cor, que possui sua força e vida própria.

Além da instalação situada no próprio acervo, o visitante encontrará ainda uma série de obras inéditas dispostas na entrada da exposição. Elas estão diretamente relacionadas com as obras de Cruz-Diez, porém com um suporte pouco usual: livros cortados[1]. Posteriormente cada um dos trabalhos recebeu intervenções de tinta acrílica e lâminas de acetato colorido.

Ressalta-se que essa já é a terceira exposição que Lucas Dupin realiza em uma biblioteca. Segundo o artista, “tomamos frequentemente a biblioteca apenas como local de estudo. Por que não inserir neste contexto uma exposição de artes visuais? A biblioteca é um espaço que atrai usuários que estão em busca de algum livro de determinado assunto ou, por assim dizer, em busca de conhecimento. Inserir em seu contexto uma exposição de artes visuais é encarar também o campo artístico como uma forma de conhecimento que não se dá exclusivamente pelo que está escrito, mas pelo que o sujeito vê e ele próprio ajuda a escrever”.

Dupin participa, ainda este mês, de outras duas mostras em São Paulo: da exposição coletiva “Soma não-zero” com curadoria de Jaqueline Martins e Maria Montero no espaço Phosphorus até o dia 4 de maio e do álbum de gravuras do projeto “Impressões & Contaminações II” coordenado pelas professoras Edna Moura e Maria do Carmo de Freitas Veneroso, exposto na galeria Gravura Brasileira, integrando o evento SP Estampa, até o dia 30 de abril.

Mestre (2012) e bacharel (2008) em Artes Visuais pela Escola de Belas Artes da UFMG, Lucas Dupin (1985) foi o vencedor do 2º Prêmio Energias da Arte, parceria entre Instituto Tomie Ohtake e Instituto EDP, participando de uma residência artística no The Banff Centre, Canadá. Ainda pelo prêmio teve o acompanhamento crítico do curador Agnaldo Farias durante um ano. Já participou de salões e exposições coletivas em diversos estados. Vive e trabalha em Belo Horizonte – MG.

O projeto “Mais arte na Biblioteca” tem curadoria do Prof. Gladston Mamede e coordenação da bibliotecária Priscila Reis. Desde 2010 o projeto realiza exposições de artes visuais, como, por exemplo, as de Leandro Gabriel, Miguel Gontijo, Sérgio Vaz, Gabriela Brasileiro e Marcel Diogo. Segundo os organizadores, a proposta do projeto consiste em fazer do espaço da Biblioteca um local dinâmico, abrigando além de seu próprio acervo, exposições de artes visuais. Esta seria uma forma de enriquecimento cultural e artístico de seus usuários e funcionários, inserindo em suas rotinas um pouco do trabalho dos artistas convidados.

*Uma importante observação feita pelo artista é que todos os livros empregados foram descartados por uma biblioteca e seriam destinados à reciclagem.

 

SERVIÇO

Exposição “Uma biblioteca para Cruz-Diez”

Artista: Lucas Dupin

Visitação: 8 de abril a 10 de maio de 2013

Seg- sex : 7:30 – 22:30

Sab: 08:00 – 14:00

Entrada Franca

Local: Biblioteca da Faculdade de Ciências Humanas, Sociais e de Saúde – FUMEC

                Rua Cobre, 200, Bairro Cruzeiro, Belo Horizonte – MG

Contatos: Priscila Reis (3228-3033) | Eduardo Anacleto (3228-3181) |

                Lucas Dupin: 8463-0256 / Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Obs.: Para entrada no Campus Cruzeiro da FUMEC, local em que a exposição está situada, é necessária a apresentação de qualquer documento com foto na Portaria. Ao entrar, basta solicitar informação sobre qual prédio é a FCH.


[1]Segundo o artista, todos os livros empregados em seus trabalhos seriam descartados para a reciclagem e foram recebidos por meio de doação.

Lido 5555 vezes Última modificação em Domingo, 04 Janeiro 2015 20:11